DIA DAS COMUNICAÇÕES

05 DE MAIO

Em homenagem ao Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon, Patrono das Comunicações no Brasil, o dia 5 de maio, dia de seu nascimento, é o Dia das Comunicações.
Lembremos neste dia o trabalho incansável e heróico desse brasileiro, bandeirante moderno, construtor da união e da paz entre os filhos do Brasil.

CÂNDIDO MARIANO DA SILVA RONDON

PATRONO DAS COMUNICAÇÕES NO BRASIL

Cândido Mariano da Silva Rondon nasceu a 5 de maio de 1865, em Mimoso, Mato Grosso. Pelo lado materno, descendia de índios terena e bororó, e de índios guaná pelo lado paterno.
Após o curso primário, em 1879, matriculou-se na Escola Normal de Cuiabá. Em 1881, aos 16 anos de idade, completou o curso com distinção e decidiu assentar praça no Rio de Janeiro, para prosseguir seus estudos na Escola Militar.
Depois de vencer dificuldades de saúde e outras, saiu classificado em 1º lugar da Escola Superior de Guerra com o título de Engenheiro Militar e o diploma de bacharel em Matemática e Ciências Físicas e Naturais. Foi então servir na Comissão Construtora da Linha Telegráfica de Cuiabá ao Araguaia, e assim iniciou suas atividades de sertanista.
Após o curso primário, em 1879, matriculou-se na Escola Normal de Cuiabá. Em 1881, aos 16 anos de idade, completou o curso com distinção e decidiu assentar praça no Rio de Janeiro, para prosseguir seus estudos na Escola Militar.

 



Depois de vencer
dificuldades de saúde e outras, saiu classificado em 1º lugar da Escola Superior de Guerra com o título de Engenheiro Militar e o diploma de bacharel em Matemática e Ciências Físicas e Naturais. Foi então servir na Comissão Construtora da Linha Telegráfica de Cuiabá ao Araguaia, e assim iniciou suas atividades de sertanista.
Começando pelo 16º Distrito Telegráfico de Mato Grosso (1892), Rondon chefiaria, depois, a Comissão encarregada da construção da linha telegráfica de Cuiabá ao Araguaia (1897), a Comissão das linhas telegráficas do Estado do Mato Grosso ao Amazonas, mais tarde conhecida e famosa como “Comissão Rondon” (1907), a qual faria a ligação do então remoto Território do Acre ao circuito telegráfico nacional.
A construção de linhas telegráficas exigia trabalho penoso e abnegado, desbastando a mata virgem, fazendo postes com as árvores derrubadas, explorando regiões desconhecidas, fazendo medições e cálculos, limpando o terreno, transportando com enorme esforço diversos materiais e equipamentos, e sobretudo enfrentando um clima adverso, doenças tropicais, serpentes e insetos perigosos, e ataques dos índios que não toleravam o invasor das suas terras.
No tratamento inteligente e pacífico com que enfrentou os indígenas, Rondon celebrizou-se ao mesmo tempo por sua coragem e humanidade. Ficou para sempre no coração dos brasileiros e seu lema: “Morrer, se necessário; matar, nunca”.
De 1900 a 1906, com o estudo de 4.100km de rotas, foram construídos 1.746km de linhas telegráficas. Em 1914, pela Expedição Científica Roosevelt-Rondon (com a participação de Theodore Roosevelt, ex-presidente dos Estados Unidos da América) vastas regiões foram desbravadas na Amazônia. Rondon retornou em seguida à selva, reassumindo a chefia da Linha Telegráfica de Cuiabá ao Madeira, e nos oito meses seguintes foram construídos 372.235 metros de linha, com uma média mensal de 46 km.
Criada em 1927 a Inspeção de Fronteiras, foi entregue a Rondon a sua chefia e organização. Na inspeção e levantamento das fronteiras com a Venezuela, Colômbia e Guianas Francesa e Inglesa, Rondon utilizou todos os meios de transporte. Uma viagem ininterrupta de 257 dias, na primeira fase dos trabalhos, comprova o seu devotamento ao dever, seu amor à pátria e também seu vigor físico e moral. Foram vencidos 10.702 km por via marítima e fluvial; 1.801 km a cavalo; 2.917 km em automóvel; 1.896 km em estrada de ferro, perfazendo um total de 17.316 quilômetros. Rondon tinha então 62 anos.
Em 1934, Rondon foi convocado pelo Presidente da República para presidir a Comissão Mista Peru-Colômbia. Esses dois países estavam em dissídio pela posse da região de Letícia, e durante quatro anos (dos 69 aos 72 anos de idade) o infatigável Rondon, apesar de ter grave doença numa vista, dirigiu os trabalhos até a total confraternização de ambas as nações.
Recusando então receber a subvenção governamental que lhe era devida por sua missão no estrangeiro, ofereceu e doou toda a quantia para a construção de uma escola na sua cidade natal, Mimoso.
Rondon contribuiu largamente para o conhecimento etnológico, antropológico, linguistico, geológico, botânico e zoológico do interior do Brasil, e ajudou a numerosos cientistas nas suas pesquisas. A Comissão Rondon encaminhou ao Museu Nacional 3.380 artefatos indígenas (obtidos mediante trocas ou doação), 8.837 espécies de plantas, 5.676 espécimes animais, e descobriu e assinalou minas e jazidas de ferro, manganês, etc.
Falecido em 19 de janeiro de 1958, com 93 anos de idade, as referências da imprensa e dos estudiosos o reconheceram merecedor de diversos honrosos títulos, tais como Protetor dos Índios, Humanista e Pacificador, Civilizador do Sertão, o Apóstolo, e assim por diante. Como homenagem do Governo do Brasil, em 1959 o nome do então Território de Guaporé mudou para o de Rondônia. Um escritor gaúcho disse a respeito dele: “O que me fascina é o seu espírito, o seu princípio de amor, a sua violência de amor”. Seu nome figura entre outros de grandes exploradores, como aquele que mais se avantajou em terras tropicais.
O Marechal Rondon é o patrono das Comunicações no Brasil. O Exército brasileiro fez dele, em 1963, o patrono da arma de Comunicações. O Dia das Comunicações, 5 de maio, é o dia do seu nascimento. Lembremos neste dia o trabalho incansável e heróico desse brasileiro, bandeirante moderno, construtor da união e da paz entre os filhos do Brasil.

Ivan Dorneles Rodrigues - PY3IDR - e-mail: ivanr@cpovo.net - Site: http://geocities.com/py3idr